Comunicação

O planejamento precisa se reinventar

Na última semana, participei do Planner Summit e compartilho com vocês algumas anotações do evento. Não tenho por hábito fazer resenhas deste tipo de conteúdo, mas é enriquecedor o exercício. Como as anotações foram um tanto quanto esquizofrênicas, meu cérebro não conseguiu fazer as associações diretas aos autores, mas as apresentações vão estar aqui em breve 😉

IMG_20140607_121435

 

A marca é mais importante que a propaganda

Pense na experiência do consumidor. As marcas precisam, cada vez mais, que os planejamentos dêem conta de entender sua essência em profundidade e não apenas pensar uma campanha, ação ou publicidade. Cada vez mais, abrem-se portas para estrategistas e fecham-se para propagandistas. Expanda seu entendimento de marca!

 

Planejamento Digital não existe

A dicotomia de comunicação online X offline só faz sentido enquanto modelo de negócio, cujo entendimento é requisito para sobrevivência profissional, ou seja, você precisa entender o jogo para jogar. No entanto, limitar a operação de planejamento a esses âmbitos é suicídio, pois estamos inseridos num contexto de comunicação cada vez mais holístico e o  planejamento só é verdadeiramente rico ao abarcar todas as possibilidades de experiência para o consumidor, online ou não. Um mundo que muda em velocidade recorde exige um planejamento aberto ao novo e às mudanças: ontem foi TV, hoje internet, amanhã não sabemos. Ainda assim, em essência, será planejamento.

 

Toda marca tem algo incrível a ser revelado

Essa foi para aqueles publicitários (chorumelas) que reclamam que não conseguem fazer trabalhos legais porque estão fora do eixo Rio-São Paulo, porque o budget dos clientes não permite, porque atendem pequenos ou médios negócios em que ideias brilhantes não são palpáveis.  Em essência, há maravilhas em desvendar do quão incrível é uma marca e na forma de comunicar isso. Boa descoberta!

 

Repense a cultura do case

Há uma cultura de aplauso a Cannes, aos prêmios  e aos cases gritados aos quatro cantos do mundo. Profissionalmente, no âmago de quem faz, acho que isso pesa pouco e repensar o papel deste tipo de postura é algo respeitável. Quando observo grandes profissionais fazendo este tipo de reflexão, ressurge a esperança em dias melhores.  No fim das contas, a riqueza está em ter orgulho do trabalho entregue, em ver alguma experiência enriquecedora e real a partir do que foi pensado e executado, está em trabalhar, dia após dia, com a cabeça tranquila por fazer um excelente trabalho dentro das possibilidades, venha ou não o case.

 

A forma de fazer é tão importante quanto o conteúdo

Planejar é muito mais sobre COMO do que sobre O QUE. Esse item extrapola os contornos da publicidade, servindo para a vida toda. A forma como as coisas são ditas, realizadas, concretizadas muitas vezes fala mais alto que as próprias coisas. Ao planejar, considere os meios, os canais, as expectativas de relacionamento e interação do target. Envolver é o primeiro passo para um bom resultado.

 

Importe-se mais com a satisfação do que com o job title

Pensando em carreira, tente esgotar o potencial da experiência humana no que você pensa e faz. Projete sonhos, metas e novos conhecimentos, mas não prenda-se a determinado título ou cargo, pois na calada da noite, quando você põe a cabeça no travesseiro, conta mais o que você faz do que o cargo que você possui.  A longo prazo, o que faz diferença são muitas das qualidades que não podem ser transpostas para um currículo, mas que estão embasadas numa filosofia de vida, que faz com que você trabalhe com mais profundidade, alegria e satisfação.

 

O planejamento além do cérebro

Estamos tão habituados a pensar as marcas dentro de argumentos racionais de resultados, projeções, metas, etc., que, na maioria das vezes, esquecemos que planejar é colocar a alma e a pele no jogo.  Trata-se de transitar com fluidez entre os dois lados do cérebro, entre o hardware e o software, segundo a metáfora da Hui Jin Park.  Para capacitarmos a este exercício, é necessário sair da bolha que envolve e cega o mundo publicitário. Sair da lógica que faz com que não vejamos um palmo fora do nosso círculo. Ter outros pontos de vista faz bem, formar redes além dos Jobs e da comunicação é saudável e ajuda a entender que o mundo vai muito além do próprio umbigo. Some, não se restrinja!

Anúncios

Comente esse post

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s